Operação da PF investiga desvio de dinheiro público em Goiatins

Criada em: 08/08/2018 14:28

O nome da operação significa Mínima Moral, qualidade que deve pertencer ao gestor público no trato honesto e virtuoso da coisa pública, informou a PF.

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira, 8, a Operação Mínima Moralia, que investiga desvios de recursos públicos na Prefeitura do município de Goiatins, norte do estado. Ai todo são cumpridos oito mandados de busca e apreensão na cidade e nos municípios de Itacajá e Palmas. A ação faz parte da 3ª fase da Operação Bagration, que em 2016 prendeu o prefeito da cidade Vinícius Donnover e a mulher dele Sandra Suely Silva por desvio de dinheiro público.

Segundo a PF foram constatadas diversas irregularidades em licitações da área da educação, como a utilização de notas fiscais em duplicidade para justificar pagamentos ilícitos, preços superfaturados e contratação de empresas de fachada. Informou também que as irregularidades foram descobertas após a análise de documentos e mídias apreendidos durante as fases anteriores da operação.

As investigações foram feitas a partir da análise das movimentações financeiras dos investigados e de relatórios emitidos pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) do Ministério da Fazenda. A Polícia Federal informou que as investigações foram realizadas com base em documentos que permitira a descoberta de diversas transferências de valores das empresas e responsáveis contratados, para ex-gestores das Prefeitura de Goiatins, o que gera indícios de desvio de recursos públicos e corrupção passiva.

O nome da operação significa Mínima Moral, qualidade que deve pertencer ao gestor público no trato honesto e virtuoso da coisa pública, informou a PF.

A 1ª fase da operação Bagration foi realizada no dia 27 de julho de 2016. A Polícia Federal cumpriu 13 mandados de prisão em Goiatins e outras cidades do norte do Tocantins. Os envolvidos são suspeitos de integrarem uma organização criminosa que atuava no desvio de recursos públicos. Segundo a PF, a suspeita é que os prejuízos causados aos cofres da União sejam de aproximadamente R$ 10 milhões.

Foram 13 mandados de prisão, sendo nove preventivas e quatro temporárias. Entre os que tiveram a prisão preventiva decretada estão o prefeito de Goiatins, Vinícius Donnover Gomes (PSC), e a mulher dele, Sandra Suely da Silva, responsável por controlar as verbas da Saúde no município. Também foram presos secretários, servidores, vereadores, ex-gestores e pessoas ligadas ao prefeito da época.

Em 2016, Sérgio Ferradoza, advogado do prefeito Vinícius Donnover Gomes, argumentou que o suspeito vem atestando em depoimento de que os fatos não são verdadeiros e correspondem a atos da administração anterior. Outros foram praticados por outras pessoas sem a ciência ou autorização dele. No decorrer do processo tudo será esclarecido, segundo o advogado.

Atualizada em: 09/08/2018 15:10
Compartilhar
SBT Tocantins 2018